Todos nós já certamente reparámos na recente proliferação dentro da comunidade nerd dos amantes de programação funcional... aquelas criaturas que veneram Scheme, a Remédios e o Pavão, e tudo o que leve montes de parêntesis de uma forma geral. A Divisão da National Nerdographic dedicada à sociologia nerd (e que consequentemente é a que mais os coça no serviço, dado que pouquíssimo material há sobre o assunto), farta de conversar sobre os planos para as férias à roda da máquina de café, resolveu arregaçar as mangas e investigar esta nova tendência cultural, as suas origens e significado como forma de identificação pessoal.


Certamente não passou ao lado dos olhares mais atentos como os nerds lutam pela aceitação das suas opções (embora à sua maneira bizarra, tal como assistindo a aulas de FP pelo puro gosto da coisa), como se trata de uma opção de vida censurada pela maioria da sua comunidade, e como os que têm coragem para se assumir, tendo força para enfrentar a maioria, se sentem finalmente plenos, realizados por não terem de reprimir quem verdadeiramente são.


A nossa equipa de investigação descobriu algo de surpreendente, uma peça verdadeiramente interessante no puzzle do nosso conhecimento do mundo nerd: a funciossexualidade nerd, variante nerd da homossexualidade humana (a qual apenas se manifesta na comunidade das pessoas normais).


Intrigada, a nossa equipa dedicou horas de investigação a tentar compreender como fora possível que, na Comunidade Nerd, existisse uma fracção populacional com um comportamento deveras semelhante à sua homóloga normal - poder-se-ia ter descoberto o Elo Perdido, o ponto de compreensão do verdadeiro correlacionamento entre Humanos e Nerds?


A relação, que apesar de não ser o tão famigerado elo é não menos interessante e culturalmente valiosa, é um ritual ancestral Nerd da época paleolítica que deu origem ao que hoje conhecemos como programação funcional: o cálculo lambda.


O lambda, símbolo do dito cálculo, é também como alguns saberão um símbolo conhecido da comunidade LGBT - no entanto, estas duas manifestações da letra grega (império onde relações entre pessoas do mesmo sexo eram toleradas) desenvolveram-se de forma totalmente independente, como chegaram à conclusão os nossos investigadores - que colocaram essa hipótese baseando-se no conhecido facto de que os nerds não comunicam com o resto do universo. Isto prova a existência de um elo de ligação mais antigo e complexo, e esse sim poderá ser o tão aclamado Elo Perdido que andamos à procura.


As conclusões deste estudo serão, naturalmente, alvo de nova investigação em altura considerada oportuna (e como tal não antes de muito mais converseta à roda da maquininha do café).

4 conspirações:

  1. SkimbleShanks disse...

    lolol

    Não hajam duvidas quanto à dimensão dos projectos do lxf. Em todas as frentes, em cima do acontecimento.  

  2. Datwo disse...

    Se alguem achava que a lxf estava a descansar sobre os louros obtidos em tempos anteriores, as últimas duas investigações provam exactamente o contrário.



    Parabens à ana sofia pelo excelente trabalho de investigação e a todos os colaboradores do lxf que fazem deste cantinho O cantinho anti-nerd da internet  

  3. Ecks disse...

    Isto dá uma nova luz à expressão "Lisp fag"!

    (too lazy to log in)  

  4. Anónimo disse...

    Acabo de dar uma rápida e última vista de olhos por este vosso espaço de parvoíce (vcs próprios o admitem e publicitam como tal!)

    Também quero dar os parabéns 'a menina por este artigo. Muito bom. Também odeio scheme/lisp. Não tem frameworks nenhumas e é só recursão para a frente, e eu sou tão burro e limitado. :-(  


 

(c) LEIC-X Files 2007 Todos os direitos reservados.